“Histórias literárias da literatura: uma pedagogia bárbara?” (artigo DLS)

Resumo: Propondo uma nomenclatura própria para o subgênero de textos que utiliza autores e obras da literatura universal como personagens de uma trama ficcional (ESTEVES, 2010), é feita uma comparação entre alguns romances da coleção “Literatura ou Morte”, da editora Companhia das Letras, e o livro-filme Invenção do Brasil, de Guel Arraes e Jorge Furtado, objetivando analisar se obras produzidas a partir desse princípio poderiam vir a ser aproveitadas com propósitos didáticos no ensino de literatura. Toma-se o conceito de “metaficção historiográfica” (HUTCHEON, 1991) como medida, a fim de discriminar as diferenças entre as duas empresas, concluindo pelo cuidado com a utilização de tais livros, embora seu uso possa ser recomendado em alguns casos.
Palavras-chave: Ensino de literatura; História da literatura; Metaficção historiográfica; Coleção “Literatura ou Morte”.

(publicado na Revista Re-Unir, v. 5, n. 1, 2018)

“Histórias literárias da literatura: uma pedagogia bárbara?” (David Lopes da Silva)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s